Início > Windows Server 2003 - Cluster > Configurando Cluster no Windows Server 2003

Configurando Cluster no Windows Server 2003

Resumo

Este guia fornece instruções passo a passo para criar e configurar um único cluster de servidor de vários nós de dispositivo de quorum comum usando um disco compartilhado em servidores que executam os sistemas operacionais Microsoft® Windows® Server 2003 Enterprise Edition e o Windows Server 2003 Datacenter Edition.

Introdução

Um cluster de servidor é um grupo de servidores independentes trabalhando de forma coletiva e executando o MSCS (Microsoft Cluster Service). Os clusters de servidor fornecem alta disponibilidade, failback, escalabilidade e capacidade de gerenciamento para recursos e aplicativos.

Os clusters de servidor permitem que os clientes acessem os aplicativos e os recursos no caso de falhas e interrupções planejadas. Se um dos servidores no cluster não estiver disponível devido a uma falha ou aos requisitos de manutenção, os recursos e os aplicativos serão movidos para outros nós de cluster disponíveis.

Nas soluções do Windows Clustering, o termo “alta disponibilidade” é usado no lugar de "tolerância a falhas”. A tecnologia tolerante a falhas oferece um nível mais alto de flexibilidade e recuperação. Os servidores tolerantes a falhas normalmente usam um alto grau de redundância de hardware, além de software especializado, para fornecer uma recuperação quase instantânea de qualquer falha de hardware ou software. Essas soluções custam mais que as soluções do Windows Clustering, pois as organizações devem pagar pelo hardware redundante que aguarda, em um estado ocioso, uma falha.

Os clusters de servidor não garantem uma operação sem interrupções, mas eles fornecem disponibilidade suficiente para a maioria dos aplicativos de missão crítica. O serviço de cluster pode monitorar os aplicativos e os recursos, reconhecer-se e recuperar-se automaticamente de muitas condições de falha. Isso fornece flexibilidade no gerenciamento da carga de trabalho em um cluster. Ele também aperfeiçoa a disponibilidade geral do sistema.

Os benefícios do serviço de cluster incluem:

  • Alta disponibilidade: com os clusters de servidor, a propriedade dos recursos, como unidades de disco e endereços IP, é automaticamente transferida de um servidor com falhas para um servidor disponível. Quando há uma falha em um sistema ou em um aplicativo no cluster, o software do cluster reinicia o aplicativo com falha em um servidor disponível ou distribui o trabalho do nó com falha para os nós restantes. Conseqüentemente, o usuário terá apenas uma pausa momentânea no serviço.
  • Failback: o serviço de cluster atribuirá novamente, de forma automática, a carga de trabalho em um cluster quando um servidor com falha estiver online para seu proprietário pré-determinado preferencial. Esse recurso pode ser configurado, mas está desativado por padrão.
  • Capacidade de gerenciamento: é possível usar a ferramenta Administrador de Cluster (CluAdmin.exe) para gerenciar um cluster, como um único sistema, e os aplicativos como se estivessem em execução em um único servidor. Você pode mover os aplicativos para servidores diferentes no cluster. O Administrador de cluster pode ser usado para equilibrar as cargas de trabalho do servidor manualmente e liberar os servidores para a manutenção planejada. É possível também monitorar o status do cluster, todos os nós e os recursos de qualquer lugar na rede.
  • Escalabilidade: os serviços de cluster podem aumentar para atender à crescente demanda. Quando a carga total para um aplicativo com reconhecimento de cluster excede os recursos do cluster, os nós adicionais podem ser incluídos.

Este documento fornece instruções para criar e configurar um cluster de servidor com servidores conectados a um dispositivo de armazenamento de cluster compartilhado e em execução no Windows Server 2003 Enterprise Edition ou no Windows Server 2003 Datacenter Edition. Este documento irá guiá-lo pelo processo de instalação de um cluster comum e, sendo assim, não explica como instalar os aplicativos no cluster. As soluções do Windows Clustering que implementam modelos de quorum não tradicionais, como cluster de MNS (Majority Node Set – Conjunto de nó majoritário) e clusters geograficamente dispersos, também não são discutidas. Para obter informações adicionais sobre os conceitos de cluster de servidor, bem como os procedimentos de instalação e configuração, consulte a Ajuda online do Windows Server 2003.

Listas de verificação para configuração do cluster de servidor:

Essa lista de verificação ajuda na preparação da instalação. As instruções passo a passo são fornecidas depois da lista de verificação.

Requisitos de software

  • Microsoft Windows Server 2003 Enterprise Edition ou Windows Server 2003 Datacenter Edition instalado em todos os computadores no cluster.
  • Um método de resolução de nome, como DNS (Domain Name System – Sistema de nomes de domínio), protocolo de atualização dinâmica de DNS, WINS (Windows Internet Name Service), HOSTS dentre outros.
  • Um modelo de domínio existente.
  • Todos os nós devem ser membros do mesmo domínio.
  • Uma conta no nível de domínio que seja um membro do grupo de administradores locais em cada nó. Uma conta dedicada é recomendada.

Requisitos de hardware

  • O hardware de cluster deve estar na HCL (Hardware Compatibility List – Lista de compatibilidade de hardware) do serviço de cluster. Para localizar a versão mais recente da HCL do serviço de cluster, vá para a Lista de compatibilidade de hardware do Windows em http://www.microsoft.com/whdc/hcl/default.mspx (site em inglês) e procure por cluster. A solução completa deve ser certificada na HCL, não apenas os componentes individuais. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    309395(site em inglês) The Microsoft Support Policy for Server Clusters and the Hardware

    Observação   Se você estiver instalando esse cluster em uma SAN (Storage Area Network – rede local de armazenamento) e planeja ter vários dispositivos e clusters compartilhados na SAN com um cluster, a solução também deverá estar na Lista de compatibilidade de hardware “Cluster/Multi-Cluster Device”. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    304415(site em inglês) Support for Multiple Clusters Attached to the Same SAN Device

  • Dois controladores de dispositivo de armazenamento em massa — SCSI (Small Computer System Interface) ou Canal de Fibra. Um disco do sistema local para o OS deve estar instalado em um controlador. Um controlador de armazenamento PCI (Peripheral Component Interconnect – interconexão de componentes periféricos) separado para os discos compartilhados.
  • Dois adaptadores de rede de PCI em cada nó no cluster.
  • Cabos de armazenamento para conectar o dispositivo de armazenamento compartilhado em todos os computadores. Consulte as instruções do fabricante para configurar os dispositivos de armazenamento. Consulte o apêndice que acompanha esse artigo para obter informações adicionais sobre a configuração específica necessária ao usar SCSI ou Canal de fibra.
  • Todos os hardwares devem ser idênticos, slot a slot, placa a placa, BIOS e revisões de firmware etc, para todos os nós. Isso torna a configuração mais fácil e elimina os problemas de compatibilidade.

Requisitos de rede

  • Um nome NetBIOS exclusivo.
  • Endereços IP estáticos para todas as interfaces de rede em cada nó.
    Observação   O Cluster de servidor não fornece suporte para o uso de endereços IP atribuídos a partir de servidores DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol – Protocolo de configuração dinâmica de hosts).

  • Acesso a um controlador de domínio. Se o serviço de cluster não puder autenticar a conta do usuário para iniciar o serviço, poderá haver uma falha no cluster. É recomendado que você tenha um controlador de domínio na mesma LAN do cluster para assegurar a disponibilidade.
  • Cada nó deve ter no mínimo dois adaptadores de rede — um para conexões com a rede pública de clientes e outra para a rede privada de cluster nó a nó. Um adaptador de rede privada dedicado é necessário para a certificação da HCL.
  • Todos os nós devem ter duas LANs fisicamente independentes ou LANs virtuais para comunicações públicas e particulares.
  • Se você estiver usando placas de rede tolerantes a falhas ou um conjunto de adaptadores de rede, certifique-se de estar usando o firmware e os drivers mais recentes. Consulte o fabricante do adaptador de rede para obter informações sobre compatibilidade de cluster.

Requisitos de disco compartilhado

  • Uma unidade de armazenamento de disco externa aprovada pela HCL conectada a todos os computadores. Ela será usada como um disco compartilhado no cluster. Algum tipo de RAID (redundant array of independent disks – matriz redundante de discos independentes) de hardware é recomendado.
  • Todos os discos compartilhados, incluindo o disco de quorum, devem estar conectados fisicamente a um barramento compartilhado.
    Observação   O requisito acima não se aplica a clusters de MNS, que não são discutidos neste guia.

  • Os discos compartilhados devem estar em uma controladora diferente daquela usada pela unidade do sistema.
  • Criar várias unidades lógicas no nível do hardware na configuração RAID é mais recomendado do que usar uma única unidade lógica que é dividida em várias partições no nível do sistema operacional. Isso é diferente da configuração normalmente usada para servidores autônomos. Entretanto, ela permite ter vários recursos de disco e definir configurações Ativa/Ativa e equilíbrio manual de carga nos nós no cluster.
  • Um disco dedicado com tamanho mínimo de 50 MB para ser usado como o dispositivo de quorum. Uma partição de, no mínimo, 500 MB é recomendada para o desempenho do sistema de arquivo NTFS otimizado.
  • Verifique se os discos conectados ao barramento compartilhado podem ser vistos de todos os nós. Isso pode ser verificado no nível de configuração do adaptador de host. Consulte a documentação do fabricante para obter instruções específicas do adaptador.
  • Devem ser atribuídos aos dispositivos SCSI números de identificação SCSI exclusivos e adequadamente terminados de acordo com as instruções do fabricante. Consulte o apêndice fornecido com este artigo para obter informações sobre como instalar e terminar os dispositivos SCSI.
  • Todos os discos compartilhados devem ser configurados como discos básicos. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    237853(site em inglês) Dynamic Disk Configuration Unavailable for Server Cluster Disk Resources

  • Os discos compartilhados de cluster não fornecem suporte originalmente à tolerância a falhas do software.
  • Todos os discos compartilhados devem ser configurados como discos do MBR (master boot record – registro de inicialização mestre) em sistemas que executam as versões do 64 bits do Windows Server 2003.
  • Todas as partições nos discos no cluster devem ser formatadas como NTFS.
  • As configurações RAID tolerantes a falhas de hardware são recomendadas para todos os discos.
  • São recomendadas, no mínimo, duas unidades lógicas compartilhadas.

Instalação do cluster

Visão geral da instalação

Durante o processo de instalação, alguns nós serão desativados enquanto outros estiverem sendo instalados. Essa etapa ajuda a garantir que os dados em discos conectados a um barramento compartilhado não sejam perdidos ou corrompidos. Isso também pode ocorrer quando vários nós tentarem, simultaneamente, fazer gravações em um disco que não esteja protegido por um software de cluster. O comportamento padrão na forma que como novos discos são montados foi alterado no Windows 2003 Server a partir do comportamento no sistema operacional Microsoft® Windows® 2000. No Windows 2003, os discos lógicos que não estão no mesmo barramento da partição de inicialização não serão automaticamente montados nem terão uma letra de unidade atribuída. Isso ajuda a assegurar que o servidor não montará unidades que podem pertencer a outro servidor em um ambiente de SAN complexo. Embora as unidades não sejam montadas, é recomendado que você siga os procedimentos abaixo para certificar-se de que os discos compartilhados não sejam corrompidos.

Use a tabela abaixo para determinar os nós e os dispositivos de armazenamento que devem ser ativados durante cada etapa.

As etapas neste guia referem-se a um cluster de dois nós. Entretanto, se você estiver instalando um cluster com mais de dois nós, a coluna Nó 2 mostra o estado exigido de todos os outros nós.

Etapa
Nó 1
Nó 2
Armazenamento
Comentários

Configurar redes
Ativado
Ativado
Desativado
Verifique se todos os dispositivos de armazenamento no barramento compartilhado estão desativados. Ative todos os nós.

Configurar discos compartilhados
Ativado
Desativado
Ativado
Encerre todos os nós. Ative o armazenamento compartilhado e, em seguida, ative o primeiro nó.

Verificar configuração de disco
Desativado
Ativado
Ativado
Ative o primeiro nó e, em seguida, ative o segundo nó. Repita esse procedimento para os nós 3 e 4, se necessário.

Configurar o primeiro nó
Ativado
Desativado
Ativado
Desative todos os nós; ative o primeiro nó.

Configurar o segundo nó
Ativado
Ativado
Ativado
Ative o segundo nó após a configuração bem-sucedida do primeiro nó. Repita esse procedimento para os nós 3 e 4, se necessário.

Pós- instalação
Ativado
Ativado
Ativado
Todos os nós devem estar ativados.

Várias etapas devem ser realizadas antes da configuração do software de Serviço de cluster. São elas:

  • Instalar o sistema operacional Windows Server 2003 Enterprise Edition ou Windows Server 2003 Datacenter Edition em cada nó.
  • Configurar redes.
  • Configurar discos.

Execute essas etapas em cada nó de cluster antes de prosseguir com a instalação do serviço de cluster no primeiro nó.

Para configurar o serviço de cluster, você deve estar conectado com uma conta que tenha permissões administrativas em todos os nós. Cada nó deve ser um membro do mesmo domínio. Se você optar por tornar um dos nós um controlador de domínio, tenha outro controlador de domínio disponível na mesma subrede para eliminar um simples ponto de falha e habilitar a manutenção nesse nó.

Instalar o sistema operacional Windows Server 2003

Consulte a documentação fornecida no pacote do sistema operacional Windows Server 2003 para instalar o sistema em cada nó no cluster.

Para configurar o serviço de cluster, você deve estar conectado localmente com uma conta de domínio que seja membro do grupo de administradores locais.

Observação   A instalação falhará se você tentar unir um nó a um cluster que tenha uma senha em branco para a conta de administrador local. Por razões de segurança, o Windows Server 2003 não permite as senhas de administrador em branco.

Configurar redes

Cada nó de cluster exige, no mínimo, dois adaptadores de rede com duas ou mais redes independentes, para evitar um simples ponto de falha. Um deve ser conectado a uma rede pública e o outro, a uma rede privada contendo apenas nós de cluster. Os servidores com vários adaptadores de rede são denominados "multi-homed". Como servidores "multi-homed" podem ser problemáticos, é extremamente importante que você siga as recomendações de configuração de rede apresentadas neste documento.

A Microsoft exige que você tenha dois adaptadores de rede de PCI em cada nó a ser certificado na HCL e que o Serviço de suporte ao produto Microsoft forneça suporte a ele. Configure um dos adaptadores de rede na rede de produção com um endereço IP estático e o outro em uma rede separada com um endereço IP estático diferente em uma outra subrede para as comunicações de cluster particulares.

A comunicação entre os nós do cluster de servidor é essencial para que as operações de cluster ocorram sem problemas. Portanto, você deve configurar as redes usadas para a comunicação com o cluster de modo otimizado e atender a todas as exigências da lista de compatibilidade de hardware.

O adaptador de rede privada é usado para comunicação nó a nó, informações de status do cluster e gerenciamento do cluster. Cada adaptador de rede pública do nó conecta o cluster à rede pública em que os clientes estão localizados e deve ser configurado como uma rota de backup para a comunicação interna do cluster. Para fazer isso, configure as funções dessas redes como "Apenas comunicações internas de cluster " ou "Todas as Comunicações" para o Serviço de cluster.

Além disso, cada rede de cluster deve falhar independentemente de todas as outras redes de cluster. Isso significa que duas redes de cluster não devem ter um componente em comum que possa causar em uma falha em ambas simultaneamente. Por exemplo, o uso de um adaptador de rede de múltiplas portas para conectar um nó a duas redes de cluster não irá satisfazer essa exigência na maioria dos casos, pois as portas não são independentes.

Para eliminar os possíveis problemas de comunicação, remova todo o tráfego de rede desnecessário do adaptador de rede que está definido para Apenas comunicações internas de cluster (esse adaptador também é conhecido como rede de pulsação ou adaptador de rede privada).

Para verificar se todas as conexões de rede estão corretas, os adaptadores de rede privada devem estar em uma rede lógica diferente daquela em que estão os adaptadores de rede pública. Isso pode ser feito com o uso de um cabo "cross-over" em uma configuração de dois nós ou de um hub "burro" em uma configuração de mais de dois nós. Não use um switch, um hub inteligente ou qualquer outro dispositivo de roteamento na rede de pulsação.

Observação   As pulsações do cluster não podem ser encaminhadas por meio de um dispositivo de roteamento, pois a TTL (Time to Live – Vida útil) está definida para 1. Os adaptadores de rede pública devem ser conectados somente à rede pública. Se você tiver uma LAN virtual, a latência entre os nós deve ser menor que 500 ms (milésimos de segundo). Além disso, no Windows Server 2003, as pulsações no Cluster de servidor foram alteradas para difusão seletiva; portanto, você pode tornar um servidor Madcap disponível para atribuir endereços de multidifusão seletiva. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

307962 (site em inglês) Multicast Support Enabled for the Cluster Heartbeat

A figura 1 abaixo apresenta uma configuração de cluster de quatro nós.

Figura 1 Conexões para um cluster de quatro nós

Configuração geral de rede:

Observação   Este guia assume que você está executando o menu Iniciar padrão. As etapas podem ser um pouco diferentes se você estiver executando o menu Iniciarclássico. Além disso, a definição de um adaptador de rede como privado ou público depende da conexão. Para o objetivo deste documento, o primeiro adaptador de rede (Conexão local) é conectado à rede pública e o segundo adaptador de rede (Conexão local 2) é conectado à rede privada de cluster. Sua rede pode ser diferente.

Para renomear os ícones da Conexão local

É recomendado que você altere os nomes das conexões de rede para obter mais clareza. Por exemplo, talvez você queira alterar o nome Conexão local 2 para algo como Privado. A renomeação o ajudará a identificar uma rede e a atribuir suas funções de forma correta.

  1. Clique em Iniciar, aponte para Painel de Controle, clique com o botão direito do mouse em Conexões de Rede e, em seguida, clique em Abrir.
  2. Clique com o botão direito do mouse no ícone Conexão Local 2.
  3. Clique em Renomear.
  4. Digite Privadana caixa de texto e, em seguida, pressione ENTER.
  5. Repita as etapas de 1 a 3 e, em seguida, renomeie o adaptador de rede pública para Pública.

    Figura 2 Ícones renomeados na janela Conexões de rede

  6. Os ícones renomeados devem ser parecidos com esses da figura 2. Feche a janela Conexões de rede. Os novos nomes das conexões serão exibidos no Administrador de cluster e replicados automaticamente em todos os outros nós de cluster
Para configurar a ordem de vínculo das redes em todos os nós
  1. Clique em Iniciar, aponte para Painel de Controle, clique com o botão direito do mouse em Conexões de Rede e, em seguida, clique em Abrir
  2. No menu Avançado, clique em Configurações Avançadas.
  3. Na caixa Conexões, certifique-se de que seus vínculos estejam na seguinte ordem e, em seguida, clique em OK :
    1. Público
    2. Privado
    3. Conexões de acesso remoto

Configurar o adaptador de rede privada

  1. Clique com o botão direito do mouse na conexão de rede para o adaptador de pulsação e, em seguida, clique em Propriedades.
  2. Na guia Geral, certifique-se de que apenas a caixa de seleção Protocolo TCP/IP esteja marcada, como mostrado na figura 3 abaixo. Clique para limpar as caixas de seleção para outros clientes, serviços e protocolos.

    Figura 3 Clique para marcar apenas a caixa de seleção Protocolo TCP/IP na caixa de diálogo Propriedades de Conexão local.

  3. Se você tiver um adaptador de rede com capacidade de transmissão em várias velocidades, deverá especificar, manualmente, a velocidade e o modo duplex. Não use uma definição de seleção automática para a velocidade, pois alguns adaptadores podem diminuir os pacotes ao determinar a velocidade. A velocidade dos adaptadores de rede deve ser definida manualmente para que seja a mesma em todos os nós, de acordo com as especificações do fabricante da placa. Se estiver em dúvida quanto à velocidade para a qual a placa e os dispositivos de conexão fornecem suporte, a Microsoft recomenda que você defina todos os dispositivos naquele caminho para 10 Mbps e Half Duplex, como mostrado na figura 4 abaixo. A quantidade de informações que está sendo transmitida por meio da rede de pulsação é pequena, mas a latência é crítica para a comunicação. Essa configuração fornecerá largura de banda suficiente para comunicação confiável. Todos os adaptadores de rede em um cluster conectado à mesma rede devem ser configurados de modo idêntico para usar os mesmos parâmetros Duplex Mode, Link Speed, Flow Control e assim por diante. Entre em contato com o fabricante do adaptador para obter informações específicas sobre as definições de duplex e de velocidade apropriadas para os adaptadores de rede.

    Figura 4 Definindo a velocidade e o modo duplex para todos os adaptadores.

    Observação   A Microsoft não recomenda o uso de nenhum tipo de adaptador tolerante a falhas ou "Conjunto de adaptadores" para pulsação. Se a redundância para a conexão de pulsação for necessária, use vários adaptadores de rede definidos para Apenas Comunicação Interna e defina a prioridade da rede na Configuração de cluster. Problemas foram encontrados em antigos adaptadores de rede de múltiplas portas, portanto, certifique-se de utilizar as versões mais recentes do firmware e do driver, se for usar essa tecnologia.

    Entre com contato com o fabricante do adaptador de rede para obter informações sobre compatibilidade em um cluster de servidor. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    254101 (site em inglês) Network Adapter Teaming and Server Clustering

  4. Clique em Protocolo Internet (TCP/IP) e, em seguida, clique em Propriedades.
  5. Na guia Geral, verifique se você selecionou um endereço IP estático que não está na mesma subrede ou rede de qualquer outro adaptador de rede pública. É recomendado que o adaptador de rede privada seja colocado nos seguintes intervalos de rede privada:
    • 10.0.0.0 a 10.255.255.255 (Classe A)
    • 172.16.0.0 a 172.31.255.255 (Classe B)
    • 192.168.0.0 a 192.168.255.255 (Classe C)

    Um exemplo de um endereço IP ideal para ser usado com os adaptadores de rede privada é 10.10.10.10 no nó 1 e 10.10.10.11 no nó 2 com uma máscara de subrede de 255.0.0.0, como mostrado na figura 5 abaixo. Certifique-se de que esse seja um esquema de endereço IP totalmente diferente daquele usado para a rede pública.

    Observação   Para obter informações adicionais sobre um endereço IP válido para a rede privada, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    142863 (site em inglês) Valid IP Addressing for a Private Network

    Figura 5 Exemplo de endereço IP para ser usado com adaptadores de rede privada.

  6. Verifique se não há valores definidos na caixa Gateway Padrão ou em Usar os seguintes endereços de servidor DNS.
  7. Clique no botão Avançado.
  8. Na guia DNS, certifique-se de que nenhum valor seja definido. Certifique-se, também, de que as caixas de seleção Registrar os endereços desta conexão no DNS e Usar o sufixo DNS desta conexão no registro do DNS estejam desmarcadas.
  9. Na guia WINS, certifique-se de que nenhum valor seja definido. Clique em Desativar NetBIOS sobre TCP/IP como mostrado na figura 6 abaixo.

    Figura 6   Certificar-se de que nenhum valor seja definido na guia WINS.

  10. Ao fechar a caixa de diálogo, você poderá receber o seguinte aviso: “Esta conexão tem um endereço WINS primário em branco. Deseja continuar?” Se você receber esse aviso, clique em Sim.
  11. Conclua as etapas de 1 a 10 em todos os outros nós no cluster com diferentes endereços IP estáticos.

Configurar o adaptador de rede pública

Observação   Se os endereços IP forem obtidos por meio de DHCP, o acesso aos nós do cluster poderá não estar disponível se o servidor DHCP não estiver acessível. Por essa razão, os endereços IP estáticos são exigidos para todas as interfaces em um cluster de servidor. Lembre-se de que o serviço de cluster reconhecerá somente uma interface de rede por subrede. Se você precisar de assistência em relação ao endereço TCP/IP no Windows Server 2003, consulte a Ajuda Online.

Verificando conectividade e resolução de nome

Para verificar se as redes privada e pública estão se comunicando adequadamente, execute ping em todos os endereços IP de cada nó. Você deve ser capaz de executar ping em todos os endereços IP, localmente e nos nós remotos.

Para verificar a resolução de nome, execute ping em cada nó de um cliente usando o nome da máquina do nó em vez do seu endereço IP. O endereço IP deve ser retornado somente para a rede pública. Talvez você queira tentar um comando PING –a para fazer uma pesquisa reversa nos Endereços IP.

Verificando a participação do domínio

Todos os nós no cluster devem ser membros do mesmo domínio e poder acessar um controlador de domínio e um servidor DNS. Eles podem ser configurados como servidores membros ou como controladores de domínio. É necessário ter, no mínimo, um controlador de domínio no mesmo segmento de rede do cluster. Para obter alta disponibilidade, outro controlador de domínio deve estar disponível para remover um único ponto de falha. Neste guia, todos os nós são configurados como servidores membros.

Há situações em que os nós podem ser implantados em um ambiente onde há controladores de domínio do Microsoft® Windows NT® 4.0 ou do Windows Server 2003. Esse cenário requer, no mínimo, que um dos nós do cluster seja configurado como um controlador de domínio. Entretanto, em um cluster de servidor de dois nós, se um nó for um controlador de domínio, então o outro também deverá ser um controlador de domínio. Em uma implementação de cluster de quatro nós, não é necessário configurar todos os quatro nós como controladores de domínio. Contudo, ao seguir o modelo de "práticas recomendadas" e ter, no mínimo, um controlador de domínio de backup, pelo menos um dos três nós restantes deve ser configurado como um controlador de domínio. Um nó de cluster deve ser definido como um controlador de domínio, usando a ferramenta DCPromo antes da configuração do serviço de cluster.

A dependência no Windows Server 2003 no DNS requer que cada nó definido como controlador de domínio também seja um servidor DNS se outro servidor DNS, que fornece suporte a atualizações dinâmicas e/ou a registros SRV, não estiver disponível (Zonas integradas de diretório ativo recomendadas).

Os problemas a seguir devem ser considerados ao implantar os nós de cluster como controladores de domínio:

  • Se um nó do cluster em um cluster de dois nós for um controlador de domínio, o outro nó também deverá ser um controlador de domínio.
  • Há sobrecarga associada à execução de um controlador de domínio. Um controlador de domínio ocioso pode usar de 130 a 140 MB de RAM, que inclui a execução do Serviço de cluster. Além disso, há um tráfego de rede intenso a partir da replicação, pois esses controladores de domínio têm que replicar com outros controladores de domínio, no domínio e por meio do domínio.
  • Se os nós de cluster forem os únicos controladores de domínio, cada um também deverá ser um servidor DNS. Eles devem apontar uns aos outros, na resolução DNS primária, e a eles mesmos na resolução secundária.
  • O primeiro controlador de domínio na floresta/domínio executará todas as Funções de mestre de operações. É possível redistribuir essas funções em qualquer nó. Contudo, se um nó falhar, as Funções de mestre de operações assumidas pelo nó não estarão disponíveis. Portanto, é recomendado que você não execute as Funções de mestre de operações em qualquer nó de cluster. Isso inclui Mestre de esquema, Mestre de nomenclatura de domínio, Mestre de ID relativo, Emulador de PDC e Mestre de infra-estrutura. Essas funções não podem ter um cluster para obter alta disponibilidade com failover.
  • O cluster em outros aplicativos, como o Microsoft® SQL Server ™ ou o Microsoft® Exchange Server, em um cenário em que os nós também são controladores de domínio pode ser otimizado devido às restrições de recursos. Essa configuração deve ser totalmente testada em um ambiente de laboratório antes da implantação.

Devido à complexidade e à sobrecarga envolvidas no processo de tornar nós do cluster controladores de domínio, é recomendado que todos os nós sejam servidores membros.

Configurando uma conta de usuário de cluster

O Serviço de Cluster requer uma conta de usuário de domínio que seja um membro do grupo Administradores locais em cada nó, no qual o Serviço de Cluster pode ser executado. Como a configuração requer um nome de usuário e uma senha, essa conta do usuário deve ser criada antes da configuração do Serviço de Cluster. Essa conta do usuário deve ser dedicada somente para execução do Serviço de Cluster e não deve pertencer a um indivíduo.

Observação   A conta do serviço de cluster não precisa ser um membro do grupo Administradores de domínio. Por razões de segurança, não é recomendado conceder direitos de administrador de domínio para a conta de serviço de cluster.

A conta de serviço de cluster requer os seguintes direitos para funcionar corretamente em todos os nós no cluster. O Assistente para configuração de cluster concede os seguintes direitos automaticamente:

  • Agir como parte do sistema operacional.
  • Ajustar as cotas de memória para um processo.
  • Fazer backup de arquivos e diretórios.
  • Aumentar a prioridade de planejamento.
  • Fazer logon como um serviço.
  • Restaurar arquivos e diretórios.

Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

269229(site em inglês) How to Manually Re-Create the Cluster Service Account

Para configurar uma conta de usuário de cluster
  1. Clique em Iniciar, aponte para Todos os Programas, aponte para Ferramentas Administrativas e, em seguida, clique em Usuários e Computadores do Active Directory.
  2. Clique no sinal de adição (+) para expandir o domínio se ele ainda não estiver expandido.
  3. Clique com o botão direito do mouse em Usuários, aponte para Novo e, em seguida, clique em Usuário.
  4. Digite o nome do cluster, como mostrado na figura 7 abaixo, e, em seguida, clique em Avançar.

    Figura 7 Digite o nome do cluster.

  5. Defina as configurações de senha para O Usuário Não Pode Alterar a Senha e A Senha Nunca Expira. Clique em Avançar e, em seguida, clique em Concluir para criar esse usuário.
    Observação   Se a diretiva de segurança administrativa não permitir o uso de senhas que nunca expiram, será necessário renovar a senha e atualizar a configuração do serviço de cluster em cada nó antes de a senha expirar. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    305813 (site em inglês) How to Change the Cluster Service Account Password

  6. Clique com o botão direito do mouse em Cluster no painel esquerdo do snap-in Usuários e Computadores do Active Directory e, em seguida, clique em Propriedades no menu de atalho.
  7. Clique em Adicionar Membro ao Grupo.
  8. Clique em Administradores e, em seguida, clique em OK. Esse procedimento concede privilégios administrativos à nova conta do usuário, nesse computador.
  9. Saia do snap-in Usuários e Computadores do Active Directory.

Configurar discos compartilhados

Aviso   Para impedir que os discos de cluster sejam corrompidos, certifique-se de que o Windows Server 2003 e o Serviço de Cluster estejam instalados, configurados e em execução em pelo menos um nó antes de iniciar um sistema operacional em outro nó. É essencial não ter mais de um nó ativado até que o Serviço de Cluster seja configurado.

Para prosseguir, desative todos os nós. Ative os dispositivos de armazenamento compartilhados e o nó 1.

Sobre o Disco de Quorum

O disco de quorum é usado para armazenar pontos de verificação do banco de dados de configuração de cluster e arquivos de log que ajudam a gerenciar o cluster e a manter a consistência. São recomendados os seguintes procedimentos para disco de quorum:

  • Criar uma unidade lógica com um tamanho mínimo de 50 MB para ser usada como um disco de quorum; 500 MB é ideal para NTFS.
  • Dedicar um disco separado como um recursos do quorum.

Importante   Uma falha no disco de quorum pode causar uma falha no cluster inteiro; portanto, é extremamente recomendado que você use um volume em uma controladora RAID de hardware. Não use o disco de quorum para executar nenhuma outra ação diferente de gerenciamento de cluster.

O recurso de quorum tem uma função essencial na operação do cluster. Em cada cluster, um único recurso é designado como o recurso de quorum. Um recurso de quorum pode ser qualquer recurso de Disco físico com a seguinte funcionalidade:

  • Replicar o registro de cluster para todos os outros nós no cluster de servidor. Por padrão, um registro do cluster é armazenado no seguinte local em cada nó:%SystemRoot%\Cluster\Clusdb. O registro do cluster é replicado para o arquivo MSCS\Chkxxx.tmp na unidade de quorum. Esses arquivos são suas próprias cópias exatas. O arquivoMSCS\Quolog.log é um log de transação que mantém um registro de todas as alterações feitas no arquivo de ponto de verificação. Isso significa que os nós que estavam offline podem ter essas alterações anexadas ao se conectarem novamente ao cluster.
  • Se houver uma perda de comunicação entre os nós de cluster, o protocolo de resposta de desafio ("challenge-response") é iniciado para evitar um cenário inconsistente ("split brain"). Nessa situação, o proprietário do recurso de disco de quorum torna-se o único proprietário do cluster e de todos os recursos. O proprietário disponibiliza os recursos para os clientes. Quando o nó que contém o disco de quorum opera de forma incorreta, os nós sobreviventes tornam-se proprietários do dispositivo. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    309186(site em inglês) How the Cluster Service Takes Ownership of a Disk on the Shared Bus

Durante a instalação do serviço de cluster, você deve fornecer a letra da unidade para o disco de quorum. A letra Q é normalmente usada com um padrão, sendo assim, Q é usada como exemplo.

Para configurar discos compartilhados
  1. Certifique-se de que somente um nó esteja ativado.
  2. Clique com o botão direito do mouse em Meu Computador, clique em Gerenciare, em seguida, expanda Armazenamento.
  3. Clique duas vezes em Gerenciamento de Disco.
  4. Se você conectar uma nova unidade, ela inicia o Assistente para gravação de assinatura e para atualização de disco. Se isso ocorrer, clique em Avançar para navegar pelas etapas do assistente.
    Observação   O assistente define o disco para dinâmico, automaticamente. Para redefinir o disco para básico, clique com o botão direito do mouse em Disco n (em quen especifica o disco com o qual está trabalhando) e, em seguida, clique em Reverter para Disco Básico.

  5. Clique com o botão direito do mouse em Espaço de disco não alocado.
  6. Clique em Nova Partição.
  7. O Assistente de nova partição é iniciado. Clique em Avançar.
  8. Selecione o tipo de partição Partição Primária. Clique em Avançar.
  9. O padrão é definir para o tamanho máximo permitido pela partição. Clique em Avançar. (Vários discos lógicos são recomendados para várias partições em um disco.)
  10. Use a caixa suspensa para alterar a letra da unidade. Use uma letra de unidade que esteja no final do alfabeto em vez das letras enumeradas padrão. Normalmente, a letra de unidadeQ é usada para o disco de quorum, em seguida estão as letras R, S, etc usadas para os discos de dados. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    318534(site em inglês) Best Practices for Drive-Letter Assignments on a Server Cluster

    Observação   Se você estiver planejando usar pontos de montagem de volume, não atribua uma letra de unidade ao disco. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    280297 (site em inglês) How to Configure Volume Mount Points on a Clustered Server

  11. Formatar a partição usando NTFS. Na caixa Volume Label, digite um nome para o disco. Por exemplo, Drive Q, como mostrado na figura 8 abaixo. É essencial atribuir rótulos de unidade aos discos compartilhados, pois isso pode reduzir bastante o tempo de solução de problemas durante uma situação de recuperação de disco.

    Figura 8 É essencial atribuir rótulos de unidade aos discos compartilhados.

Se você estiver instalando uma versão de 64 bits do Windows Server 2003, verifique se todos os discos estão formatados como MBR. Não há suporte para os discos GPT (Global Partition Table) usados como discos no cluster. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

284134(site em inglês) Server Clusters Do Not Support GPT Shared Disks

Verifique se todos os discos compartilhados estão formatados como NTFS e designados como MBR básico.

Para verificar o acesso e a funcionalidade do disco
  1. Inicie o Windows Explorer.
  2. Clique com o botão direito do mouse em um dos discos compartilhados (como Unidade Q:\), clique em Novo e, em seguida, clique em Documento de Texto.
  3. Verifique se você pode fazer gravações, com sucesso, no disco e se o arquivo foi criado.
  4. Selecione o arquivo e, em seguida, pressione a tecla Delpara excluí-lo do disco no cluster.
  5. Repita as etapas de 1 a 4 em todos os discos no cluster para verificar se eles podem ser acessados de forma correta a partir do primeiro nó.
  6. Desative o primeiro nó, ative o segundo nó e repita as etapas de 1 a 4 para verificar o acesso e a funcionalidade do disco. Atribua letras de unidade de forma a corresponderem aos respectivos rótulos de unidade. Repita essas etapas novamente para qualquer nó adicional. Verifique se todos os nós podem ler os discos e fazer gravações, desative todos os nós exceto o primeiro e, em seguida, continue com este documento.

Configurando o serviço de cluster

Forneça todas as informações de configuração de cluster iniciais na primeira fase da instalação. Isso pode ser feito usando o Assistente para configuração de cluster.

Como visto no fluxograma, Criar (Criar um novo cluster) e Unir (Adicionar nós) têm dois caminhos diferentes, mas têm um pouco das mesmas páginas. Por exemplo, Login de Credencial, Análise, Nova Análise e Iniciar Serviço são iguais. Há pequenas diferenças nas páginas a seguir: Bem-vindo, Selecionar Computador e Conta de Serviço de Cluster. Nas próximas duas seções deste documento, você navegará pelas páginas do assistente, presentes em cada um desses caminhos de configuração. Na terceira seção, depois de seguir as seções iniciais, este documento descreve em detalhes as páginas Análise, Nova Análise e Iniciar Serviço e os significados das informações fornecidas nessas páginas.

Observação   Durante a configuração do Serviço de Cluster no nó 1, é necessário desativar todos os outros nós. Todos os dispositivos de armazenamento compartilhados devem ser ativados.

Para configurar o primeiro nó
  1. Clique em Iniciar, clique em Todos os Programas, clique em Ferramentas Administrativas e, em seguida, clique em Administrador de Cluster.
  2. Quando solicitado pelo Assistente para abrir conexão com cluster, clique em Criar novo cluster na lista suspensa Ação, como mostrado na figura 9 abaixo.

    Figura 9 Lista suspensa Ação

  3. Verifique se você possui os pré-requisitos necessários para configurar o cluster, como mostrado na figura 10 abaixo. Clique em Avançar.

    Figura 10 A lista de pré-requisitos faz parte da página Bem-vindo ao ‘Assistente de novo cluster de servidor’.

  4. Digite um nome NetBIOS exclusivo para o cluster (no máximo 15 caracteres) e, em seguida, clique em Avançar. No exemplo mostrado na figura 11 abaixo, o cluster é denominadoMyCluster. É recomendada a utilização das regras de nomeação do DNS. Para obter informações adicionais, consulte os seguintes artigos no Microsoft Knowledge Base:

    163409(site em inglês) NetBIOS Suffixes (16th Character of the NetBIOS Name)

    254680(site em inglês) DNS Namespace Planning

    Figura 11 É recomendada a utilização das regras de nomeação do DNS ao nomear o cluster.

  5. Se você estiver conectado localmente com uma conta que não é Conta do Domínio com privilégios Administrativos Locais, o assistente solicitará que especifique uma conta. Essa não é a conta que o Serviço de cluster usará para iniciar.
    Observação   Se você tiver credenciais adequadas, a solicitação mencionada na etapa 5 e mostrada na figura 12 abaixo não será exibida.

    Figura 12 O New Server Cluster Wizard solicita que você especifique uma conta.

  6. Como é possível configurar clusters remotamente, você deve verificar ou digitar o nome do servidor que será usado como o primeiro nó para criar o cluster, como mostrado na figura 13 abaixo. Clique em Avançar.

    Figura 13 Selecione o nome do computador que será o primeiro nó no cluster.

    Observação   O Assistente para instalação verifica se todos os nós podem ver os mesmos discos compartilhados. Em uma rede local de armazenamento complexa, os TIDs (target identifiers – identificadores de destino) dos discos podem ser diferentes, e o programa de instalação pode assumir, de forma incorreta, que a configuração de disco não é válida para a instalação. Para solucionar esse problema temporariamente, você pode clicar no botão Avançado e, em seguida, clicar em Configuração avançada (mínima). Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

    331801 (site em inglês) Cluster Setup May Not Work When You Add Nodes

  7. A figura 14 abaixo mostra que o processo de instalação irá analisar o nó para detectar possíveis problemas de hardware e software que podem causar falhas na instalação. Revise quaisquer avisos ou mensagens de erro. Você também pode clicar no botão Detalhes para obter informações detalhadas sobre cada um.

    Figura 14 O processo de instalação analisa o nó para detectar possíveis problemas de hardware e software.

  8. Digite o endereço IP exclusivo do cluster (nesse exemplo, 172.26.204.10) e, em seguida, clique em Avançar.

    Como mostrado na figura 15 abaixo, o Assistente para novo cluster de servidor associa automaticamente o endereço IP do cluster a uma das redes públicas, usando a máscara de subrede para selecionar a rede correta. O endereço IP do cluster deve ser usado somente com objetivos administrativos e não para conexões de clientes.

    Figura 15 O Assistente para novo cluster de servidor associa automaticamente o endereço IP do cluster a uma das redes públicas.

  9. Digite o Nome de usuário e a Senha da conta de serviço de cluster criada durante a pré-instalação. (No exemplo na figura 16 abaixo, o nome do usuário é “Cluster”.) Selecione o nome de domínio na lista suspensa Domínio e, em seguida, clique em Avançar.

    Nesse ponto, o Assistente para configuração de clustervalida a conta do usuário e a senha.

    Figura 16 O assistente solicita que você forneça a conta criadas durante a pré-instalação.

  10. Revise a página de Resumo, mostrada na figura 17 abaixo, para verificar se todas as informações que serão usadas para criar o cluster estão corretas. Se desejado, você pode usar o botão de quorum para alterar a designação do disco de quorum a partir do disco padrão selecionado automaticamente.

    As informações de resumo exibidas nessa tela podem ser usadas para reconfigurar o cluster na hipótese de uma situação de recuperação com problemas. É recomendado salvar e imprimir uma cópia para acompanhar o log de gerenciamento de alteração no servidor.

    Observação   O botão Quorum também pode ser usado para especificar o modelo de quorum MNS. Essa é uma das principais diferenças de configuração ao criar um cluster de MNS.

    Figura 17 Página Configuração de Cluster Proposta.

  11. Revise os avisos ou os erros encontrados durante a criação do cluster. Para fazer isso, clique no sinal de adição para ver mais e, em seguida, clique em Avançar. Os avisos e os erros são exibidos na página Criando o cluster, como mostrado na figura 18.

    Figura 18 Os avisos e os erros são exibidos na página Criando o cluster.

  12. Clique em Concluir para concluir a instalação. A figura 19 abaixo mostra a etapa final.

    Figura 19 Etapa final da configuração de um cluster de servidor.

    Observação   Para exibir um resumo detalhado, clique no botão Exibir log ou exiba os arquivos de texto armazenados em:

    %SystemRoot%\System32\LogFiles\Cluster\ClCfgSrv.Log

Validando a instalação do cluster

Use o Administrador de cluster (CluAdmin.exe) para validar a instalação do serviço de cluster no nó 1.

Para validar a instalação do cluster
  1. Clique em Iniciar, clique em Programas, clique em Ferramentas Administrativas e, em seguida, clique em Administrador de Cluster.
  2. Verifique se todos os recursos estão online, como mostrado na figura 20 abaixo.

    Figura 20 O Cluster Administrator verifica se todos os recursos estão online.

Observação   Como regra geral, não adicione nenhum item ao grupo de cluster, não retire nenhum item do grupo de cluster e não use nenhum item do grupo de cluster para uma atividade diferente de administração de cluster.

Configurar o segundo nó

Instalar o serviço de cluster em outros nós requer menos tempo que o gasto no primeiro nó. A instalação define as configurações de rede do serviço de cluster no segundo nó com base na configuração do primeiro nó. Você também pode adicionar vários nós ao cluster, ao mesmo tempo e remotamente.

Observação   Nesta seção, deixe o nó 1 e todos os discos compartilhados ativados. Em seguida, ative todos os outros nós. O serviço de cluster controlará o acesso aos discos compartilhados nesse ponto para eliminar qualquer chance de dano no volume.

  1. Abra o Administrador de Clusterno Node1.
  2. Clique em Arquivo, clique em Novo e, em seguida, clique em .
  3. O Assistente para adicionar computadores de cluster será iniciado. Clique em Avançar.
  4. Se você não estiver conectado com as credenciais apropriadas, será necessário especificar uma conta de domínio que tenha direitos administrativos em todos os nós no cluster.
  5. Digite o nome do computador para o nó que deseja adicionar ao cluster. Clique em Adicionar. Repita a etapa, mostrada na figura 21 abaixo, para adicionar todos os outros nós desejados. Depois de adicionar todos os nós, clique em Next.

    Figura 21 Adicionando nós ao cluster.

  6. O Assistente para instalação executará uma análise de todos os nós para verificar se eles estão configurados corretamente.
  7. Digite a senha da conta usada para iniciar o serviço de cluster.
  8. Revise as informações de resumo exibidas para garantir a precisão. As informações de resumo serão usadas para configurar os outros nós quando forem unidos ao cluster.
  9. Revise quaisquer avisos ou erros encontrados durante a criação do cluster e, em seguida, clique em Avançar.
  10. Clique em Concluir para concluir a instalação.

Configuração de pós-instalação

Configuração de pulsação

Agora que as redes estão configuradas corretamente em cada nó e o Serviço de Cluster foi configurado, é necessário configurar as funções da rede para definir sua funcionalidade no cluster. A seguir está uma lista de opções de configuração de rede no Administrador de cluster.

  • Ativar para uso de cluster: se essa caixa de seleção estiver marcada, o serviço de cluster usará essa rede. Essa caixa de seleção é marcada por padrão para todas as redes.
  • Apenas acesso de cliente (rede pública): selecione essa opção se você quiser que o serviço de cluster use esse adaptador de rede somente para comunicações externas com outros clientes. Nenhuma comunicação nó a nó ocorrerá nesse adaptador de rede.
  • Apenas comunicações internas de cluster (rede privada): selecione essa opção se quiser que o serviço de cluster use essa rede somente para comunicações nó a nó.
  • Todas as comunicações (rede mista): selecione essa opção se quiser que o serviço de cluster use o adaptador de rede para comunicação nó a nó e para comunicações com clientes externos. Essa opção é selecionada por padrão para todas as redes.

Este documento assume que somente duas redes estão em uso. Ele explica como configurar essas redes como uma mista e privada. Essa é a configuração mais comum. Se houver recursos disponíveis, recomenda-se duas redes redundantes dedicadas para comunicação apenas interna de cluster.

Para configuração a pulsação
  1. Inicie o Administrador de cluster.
  2. No painel esquerdo, clique em Configuração de Cluster, clique em Redes, clique com o botão direito do mouse em Privada e, em seguida, clique em Propriedades.
  3. Clique em Internal cluster communications only (private network), como mostrado na figura 22 abaixo.

    Figura 22 Usando o Administrador de cluster para configurar a rede de pulsação.

  4. Clique em OK.
  5. Clique com o botão direito do mouse em Pública e, em seguida, clique em Propriedades (como mostrado na figura 23 abaixo).
  6. Clique para marcar a caixa de seleção Enable this network for cluster use.
  7. Clique na opção All communications (mixed network) e, em seguida, clique em OK.

    Figura 23 Caixa de seleção Public Properties

Priorização de adaptador de pulsação

Depois de configurar o modo como o serviço de cluster usará os adaptadores de rede, a próxima etapa é priorizar a ordem na qual eles serão usados nas comunicações internas de cluster. Isso será aplicável somente se duas ou mais redes forem configuradas para as comunicações nó a nó. As setas de prioridade no lado direito da tela especificam a ordem na qual o serviço de cluster usará os adaptadores de rede nas comunicações entre os nós. O serviço de cluster sempre tenta usar o primeiro adaptador de rede listado para comunicação RPC (remote procedure call – chamada de procedimento remoto) entre os nós. O serviço de cluster usará o próximo adaptador de rede na lista somente se ele não puder se comunicar usando o primeiro adaptador de rede.

  1. Inicie o Administrador de cluster.
  2. No painel esquerdo, clique com o botão direito do mouse no nome do cluster (no canto superior esquerdo) e, em seguida, clique em Propriedades.
  3. Clique na guia Network Priority, como mostrado na figura 24 abaixo.

    Figura 24 Guia Network Priority no Administrador de cluster

  4. Verifique se a rede Private está relacionada no começo da lista. Use os botões Move Up ou Move Down para alterar a ordem de prioridade.
  5. Clique em OK.

Configurando discos de cluster

  • Inicie o Administrador de cluster, clique com o botão direito do mouse no disco que deseja remover do cluster e, em seguida, clique em Excluir.

Observação   Por padrão, todos os discos em barramentos diferentes daquele em que se encontra o disco do sistema terão Recursos de disco físico criados e estarão no cluster. Portanto, se o nó tiver vários barramentos, alguns discos podem ser marcados para não serem usados como armazenamento compartilhado, por exemplo, uma unidade SCSI interna. Esses discos devem ser removidos da configuração do cluster. Se você pretende implementar os pontos de montagem de volume em alguns discos, talvez queira excluir os recursos de disco atuais para aqueles discos, as letras de unidade e criar um novo recurso de disco sem atribuir uma letra de unidade.

Configuração do disco de quorum

O Assistente para configuração de cluster seleciona automaticamente a unidade que deverá ser usada como dispositivo de quorum. Ele usará a menor partição que é maior que 50 MB. Talvez você queira alterar o disco selecionado automaticamente para um disco dedicado designado para ser usado como o quorum.

Para configurar o disco de quorum
  1. Inicie o Administrador de cluster (CluAdmin.exe).
  2. Clique com o botão direito do mouse no nome do cluster no canto superior esquerdo e, em seguida, clique em Propriedades.
  3. Clique na guia Quorum.
  4. Na caixa de listagem Quorum resources, selecione um recurso de disco diferente. Na figura 25 abaixo, a unidade Q é selecionada na caixa de listagem Quorum resources.

    Figura 25 Caixa de listagem Quorum resources.

  5. Se o disco tiver mais de uma partição, clique na partição em que os dados específicos do cluster devem ser armazenados e, em seguida, clique em OK.

Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

280353(site em inglês) How to Change Quorum Disk Designation

Criando um atraso de inicialização

Em uma situação em que todos os nós de cluster são inicializados e tentam conectar-se ao recurso de quorum ao mesmo tempo, o Serviço de Cluster pode falhar ao iniciar. Por exemplo, isso pode ocorrer quando a alimentação é restaurada para todos os nós ao mesmo tempo depois de uma falha na alimentação. Para evitar essa situação, aumente ou diminua a definição Tempo para Exibir Lista de Sistemas Operacionais. Para localizar essa definição, clique em Iniciar, aponte para Meu Computador, clique com o botão direito do mouse em Meu Computadore, em seguida, clique em Propriedades. Clique na guia Avançado e, em seguida, clique em Definições em Inicialização e Recuperação.

Testar instalação

Há vários métodos para verificar se uma instalação de serviço de cluster foi concluída após o processo de instalação. Entre eles estão:

  • Administrador de cluster:se a instalação foi concluída somente no nó 1, inicie o Administrador de cluster e tente conectar-se ao cluster. Se um segundo nó foi instalado, inicie o Administrador de cluster no nó, conecte-se ao cluster e, em seguida, verifique se o segundo nó é listado.
  • Miniaplicativo de serviços:use o snap-in de serviços para verificar se o serviço de cluster está listado e se foi iniciado.
  • Log de eventos: use o Visualizador de eventos para verificar as entradas de ClusSvc no log do sistema. Você deve visualizar as entradas, confirmando que o serviço de cluster foi criado ou uniu-se com sucesso a um cluster.
  • Entradas de registro de serviço de cluster: verifique se o processo de instalação de serviço de cluster gravou as entradas corretas no registro. Você pode localizar muitas definições de registro em HKEY_LOCAL_MACHINE\Cluster
  • Clique em Iniciar, clique em Executar e, em seguida, digite o nome do Servidor virtual. Verifique se você pode conectar-se aos recursos e visualizá-los.

Teste de falha

Para verificar se os recursos falharão
  1. Clique em Iniciar, clique em Programas, clique em Ferramentas Administrativas e, em seguida, clique em Cluster Administrator, como mostrado na figura 26 abaixo.

    Figura 26 Janela do Cluster Administrator.

  2. Clique com o botão direito do mouse no grupo Disk Group 1 e, em seguida, clique em Move Group. O grupo e todos os seus recursos serão movidos para outro nó. Depois de um curto período de tempo, o Disco F: G: estarão online no segundo nó. Observe a janela para visualizar esse processo. Saia do Cluster Administrator.

Parabéns! Você concluiu a configuração do serviço de cluster em todos os nós. O cluster de servidor está funcionando totalmente. Agora você está pronto para instalar os recursos de cluster, tais como arquivos compartilhados, spoolers de impressora, serviços clusterizáveis como Coordenador de transações distribuídas, DHCP, WINS, ou programas com suporte a cluster, como o Exchange Server ou SQL Server.

Apêndice

Teste avançado

Agora que você configurou o cluster e verificou a funcionalidade básica e as falhas, talvez você queira executar uma série de testes de cenário de falhas que apresentarão os resultados esperados e garantir que o cluster esteja respondendo corretamente quando ocorre uma falha. Esse nível de teste não é obrigatório para cada implementação, mas ele poderá ser importante se você for novato no ambiente de tecnologia de cluster e ainda não estiver familiarizado com o modo como o cluster responde ou se estiver implementando uma nova plataforma de hardware no ambiente. Os resultados esperados listados são para uma configuração transparente do cluster com definições padrão; eles não consideram nenhuma personalização de lógica de falha do usuário. Essa não é uma lista completa de todos os testes nem a conclusão deles, com sucesso, deve ser considerada como "certificação" ou autorização para produção. Essa é simplesmente uma lista de exemplo de alguns testes que podem ser executados. Para obter informações adicionais, consulte o seguinte artigo no Microsoft Knowledge Base:

197047(site em inglês) Failover/Failback Policies on Microsoft Cluster Server

Teste: Inicie o Administrador de cluster, clique com o botão direito do mouse no recurso e, em seguida, clique em "Iniciar Falha". O recurso deve entrar em um estado com falha e, em seguida, ser reiniciado e retornado ao estado online naquele nó.

Resultado esperado: os recursos devem voltar ao estado online no mesmo nó.

Teste: Execute o teste “Iniciar Falha” acima mais três vezes nesse mesmo recurso. Na quarta falha, o recurso deve sofrer uma falha em outro nó no cluster.

Resultado esperado: os recursos devem falhar em outro nó no cluster.

Teste: Mova todos os recursos para um nó. Inicie o Gerenciamento do computador e, em seguida, clique em Serviços em Serviços e Aplicativos. Pare o Serviço de cluster. Inicie o Administrador de cluster em outro nó e verifique se todos os recursos falharam e retornaram ao estado online em outro nó corretamente.

Resultado esperado: os recursos devem passar para outro nó no cluster.

Teste: Mova todos os recursos para um nó. Naquele nó, clique em Iniciare, em seguida, clique em Desligar. Esse procedimento desligará o nó. Inicie o Administrador de cluster em outro nó e verifique se todos os recursos falham e retornam ao estado online em outro nó corretamente.

Resultado esperado: os recursos devem passar para outro nó no cluster.

Teste: Mova todos os recursos para um nó e, em seguida, pressione o botão Power na parte frontal do servidor para desligá-lo. Se você tiver um servidor compatível com ACPI, o servidor executará um "Desligamento de emergência" e encerrará o servidor. Inicie o Administrador de cluster em outro nó e verifique se todos os recursos falham e retornam ao estado online em outro nó corretamente.

Resultado esperado: os recursos devem passar para outro nó no cluster.

Para obter informações adicionais sobre o Desligamento de emergência, consulte os seguintes artigos no Microsoft Knowledge Base:

325343(site em inglês) HOW TO: Perform an Emergency Shutdown in Windows Server 2003

297150(site em inglês) Power Button on ACPI Computer May Force an Emergency Shutdown

Aviso   Executar um teste de Desligamento de Emergência pode causar corrupção e perda de dados. Não execute esse teste em um servidor de produção.

Teste: Mova todos os recursos para um nó e, em seguida, puxe os cabos de alimentação do servidor para simular uma falha de hardware. Inicie o Administrador de cluster em outro nó e verifique se todos os recursos falham e retornam ao estado online em outro nó corretamente.

Resultado esperado: os recursos devem passar para outro nó no cluster.

Aviso   Executar um teste de falha de hardware pode causar corrupção e perda de dados. Esse é um teste extremo. Certifique-se de ter um backup de todos os dados críticos antes de executar o teste; lembre-se de que você é o único responsável pele teste. Não execute esse teste em um servidor de produção.

Teste: Mova todos os recursos para um nó e, em seguida, remova os cabos da rede pública daquele nó. Os recursos de Endereço IP e os grupos devem falhar em outro nó no cluster. Para obter informações adicionais, consulte os seguintes artigos no Microsoft Knowledge Base:

286342(site em inglês) Network Failure Detection and Recovery in Windows Server 2003 Clusters

Resultado esperado: os recursos devem passar para outro nó no cluster.

Teste: Remova o cabo de rede da rede de pulsação privada. O tráfego de pulsação falhará na rede pública e mais nenhuma falha deverá ocorrer. Se houver uma falha, consulte a seção "Configurando o adaptador de rede privada" apresentada anteriormente neste documento.

Resultado esperado: Não deve haver nenhuma falha de recursos.

Instalações da unidade SCSI

Este apêndice é fornecido como um conjunto geral de instruções para instalações da unidade SCSI. Se houver conflitos entre as instruções do fornecedor do disco rígido SCSI e as instruções fornecidas aqui, siga sempre as instruções do fornecedor.

O barramento SCSI listado nos requisitos de hardware deve ser configurado antes da instalação do serviço de cluster. A configuração se aplica a:

  • Dispositivos SCSI.
  • Controladores SCSI e discos rígidos para que funcionem adequadamente no barramento SCSI compartilhado.
  • Terminação de barramento adequada. O barramento SCSI compartilhado deve ter um terminador em cada extremidade. É possível ter vários barramentos SCSI compartilhados entre os nós de um cluster.

Além das informações nas páginas a seguir, consulte a documentação do fabricante do dispositivo SCSI ou as especificações de SCSI, que podem ser adquiridas no ANSI (American National Standards Institute). O site do ANSI (em inglês) inclui um catálogo no qual você pode pesquisar as especificações de SCSI.

Configurando os dispositivos SCSI

Cada dispositivo no barramento SCSI compartilhado deve ter um número de identificação de SCSI exclusivo. Como a maioria dos controladores SCSI é padronizada para SCSI ID 7, configurar o barramento SCSI compartilhado inclui alterar o número de ID de SCSI em um controlador para um número diferente, como SCSI ID 6. Se houver mais de um disco no barramento SCSI compartilhado, cada disco deve ter um número de ID de SCSI exclusivo.

Terminando o barramento SCSI compartilhado

Há vários métodos de terminar o barramento SCSI compartilhado. São eles:

  • Controladores SCSI
    Os controladores SCSI têm uma terminação de software interna que pode ser usada para terminar o barramento; contudo esse método não é recomendado se estiver usando o servidor de cluster. Se um nó for desativado com essa configuração, o barramento SCSI será terminado de forma inadequada e não funcionará corretamente.
  • Unidades de armazenamento
    As unidades de armazenamento também têm terminação interna, que pode ser usada para terminar o barramento SCSI, se a unidade estiver na extremidade desse barramento. Isso pode ser desativado.
  • Cabos em Y
    Os cabos em Y podem ser conectados aos dispositivos se estes estiverem na extremidade do barramento SCSI. Um terminador ativo externo pode ser conectado a uma ramificação do cabo em Y para terminar o barramento SCSI. Esse método de terminação requer a desabilitação ou a remoção de qualquer terminador interno que o dispositivo possa ter.

A figura 27 mostra como um cluster SCSI deve estar conectado fisicamente.

Figura 27 Diagrama de uma configuração de hardware de cluster SCSI

Observação   Qualquer dispositivo que não esteja na extremidade do barramento compartilhado deve ter sua terminação interna desabilitada. Os cabos em Y e os conectores do terminador ativo são métodos de terminação recomendados, pois eles fornecem a terminação mesmo quando um nó não está online.

Considerações de rede local de armazenamento

Há suporte para dois métodos de armazenamento com base em Canal de Fibra em um cluster de servidor do Windows Server 2003: loops arbitrados e estrutura comutada.

Importante   Ao avaliar os dois tipos de implementação de Canal de Fibra, leia a documentação do fornecedor e compreenda os recursos e as restrições específicas de cada um.

Embora o termo Canal de fibra implique o uso da tecnologia de fibra ótica, o cabo coaxial de cobre também é permitido para interconexões.

Loops arbitrados (FC-AL)

Um FC-AL (Fibre Channel arbitrated loop – Loop arbitrado de canal de fibra) é um conjunto de nós e dispositivos conectados em um único loop. O FC-AL fornece um modo de baixo custo para conectar até 126 dispositivos em uma única rede. Como o que acontece com SCSI, é fornecido suporte a, no máximo, dois nós no cluster de servidor FC-AL configurado com um hub. Um FC-AL é ilustrado na figura 28.

Figura 28 Conexão de FC-AL

Os FC-ALs fornecem uma solução para dois nós e um pequeno número de dispositivos em configurações relativamente estáticas. Todos os dispositivos no loop compartilham a mídia, e nenhum pacote sendo transmitido de um dispositivo para outro deve passar por todos os dispositivos intermediários.

Se as necessidades de alta disponibilidade puderem ser atendidas com um cluster de servidor de dois nós, uma implantação de FC-AL terá vários benefícios:

  • O custo é relativamente baixo.
  • Os loops podem ser expandidos para adicionar armazenamento (embora os nós não possam ser adicionados).
  • Os loops podem ser desenvolvidos facilmente pelos fornecedores de Canal de fibra.

A desvantagem é que a implantação dos loops em uma organização pode ser difícil. Como cada dispositivo no loop compartilha a mídia, a largura de banda total no cluster é diminuída. Podem existir restrições indevidas de algumas organizações devido ao limite de 126 dispositivos.

Estrutura comutada (FC-SW)

Para qualquer cluster maior que dois nós, uma FC-SW (Fibre Channel switched fabric – estrutura de canal de fibra comutada) é a única tecnologia de armazenamento permitida. Em uma FC-SW, os dispositivos são conectados a muitas topologias usando estrutura de canal de fibra comutada (mostrado na figura 29).

Figura 29 Conexão de FC-SW

Quando um nó ou um dispositivo se comunica com outro nó ou dispositivo em uma FC-SW, a origem e o destino instalam uma conexão ponto a ponto (semelhante a um circuito virtual) para se comunicarem diretamente. A própria estrutura roteia os dados da origem para o destino. Em uma FC-SW, a mídia não é compartilhada. Qualquer dispositivo pode comunicar-se com outro dispositivo, e a comunicação ocorre na velocidade total do barramento. Essa é uma solução corporativa totalmente escalonável e, dessa forma, é altamente recomendada para implantação com clusters de servidor.

A FC-SW é a principal tecnologia usada em SANs. Outras vantagens da FC-SW incluem facilidade de implantação, habilidade para fornecer suporte a milhões de dispositivos e switches que fornecem isolamento e reroteamento de falha. Além disso, não há mídia compartilhada, como o que ocorre com o FC-AL, permitindo uma comunicação mais rápida. Entretanto, saiba que as FC-SWs podem ser difíceis de serem desenvolvidas pelos fornecedores, e os switches podem ser caros. Os fornecedores também devem contar com os problemas de interoperabilidade entre os componentes de diferentes fornecedores ou fabricantes.

Usando SANs com clusters de servidor

Para uma implantação de cluster em larga escala, é recomendada a utilização de uma SAN para armazenar os dados. Os dispositivos de armazenamento SCSI menores e de Canal de fibra autônomo trabalham juntos com clusters de servidor, mas as SANS fornecem uma tolerância a falhas superior.

Uma SAN é um conjunto de dispositivos (como discos e fitas) interconectados e servidores que estão conectados para uma comunicação comum e uma infra-estrutura de transferência de dados (FC-SW, no caso de clusters do Windows Server 2003). Uma SAN permite que vários servidores acessem um pool de armazenamento em que qualquer servidor pode, potencialmente, acessar qualquer unidade de armazenamento.

As informações nesta seção fornecem uma visão geral do uso da tecnologia SAN com os clusters do Windows Server 2003. Para obter informações adicionais sobre a implantação de clusters de servidor em SANs, consulte o link Windows Clustering: Storage Area Networks na página Web Resources em http://www.microsoft.com/windows/reskits/webresources/ (site em inglês).

Observação   Os fornecedores que oferecem componentes de estrutura SAN e ferramentas de gerenciamento de software têm uma ampla quantidade de ferramentas para instalação, configuração, monitoramento e gerenciamento de estrutura SAN. Entre em contato com o fornecedor de SAN para obter detalhes sobre uma solução SAN específica.

SCSI Resets

As versões mais antigas de cluster de servidor Windows presumiam que todas as comunicações para o disco compartilhado deviam ser tratadas como um barramento SCSI isolado. Esse comportamento pode ser um pouco inadequado e não se beneficia dos recursos mais avançados do Canal de fibra para melhorar o desempenho de arbitração e reduzir os problemas.

Um aperfeiçoamento principal no Windows Server 2003 é que o Serviço de Cluster emite um comando para quebrar uma RESERVA, e o driver StorPort não pode executar uma redefinição de destino ou de dispositivo nos discos que estão em uma topologia de Canal de fibra. Nos clusters de servidor do Windows 2000, um comando bus-wide SCSI RESET inteiro é emitido. Isso faz com que todos os dispositivos no barramento sejam desconectados. Quando um comando SCSI RESET é emitido, é gasto muito tempo para redefinir os dispositivos que talvez nem precisem ser redefinidos, como discos que já podem pertencer ao nó CHALLENGER.

A redefinição no Windows 2003 ocorre na seguinte ordem:

  1. 1. LUN (logical unit number – número de unidade lógica) de destino
  2. 2. ID de SCSI de destino
  3. 3. Bus-wide SCSI RESET inteiro

Observação   As redefinições de destino exigem funcionalidade nos drivers HBA (host bus adapter – adaptador de barramento de host). O driver deve estar gravado em StorPort e não em SCSIPort Os drivers que usam SCSIPort utilizarão o método Challenge-Response da mesma forma que ocorre atualmente no Windows 2000. Entre em contato com o fabricante do HBA para determinar se ele fornece suporte a StorPort.

Comandos SCSI

O Serviço de Cluster usa os seguintes comandos SCSI:

  • SCSI reserve: esse comando é emitido por um HBA ou por um controlador para manter a propriedade de um dispositivo SCSI. Um dispositivo que está reservado nega todos os comandos de qualquer outro HBA exceto aquele que inicialmente o reservou, o iniciador. Se um comando bus-wide SCSI reset for emitido, ocorre a perda da reserva.
  • SCSI release: esse comando é emitido pelo proprietário do HBA; ele libera um dispositivo SCSI para que outro HBA o reserve.
  • SCSI reset: esse comando quebra a reserva em um dispositivo de destino. Ele, algumas vezes, é mencionado globalmente como um "bus reset".

Os mesmos códigos de controle também são usados para o Canal de fibra. Esses parâmetros são definidos neste artigo do parceiro:

309186(site em inglês) How the Cluster Service Takes Ownership of a Disk on the Shared Bus

317162(site em inglês) Supported Fibre Channel Configurations

As seções a seguir fornecem uma visão geral dos conceitos de SAN que afetam diretamente uma implantação de cluster de servidor.

HBAs

Os HBAs são as placas de interface que conectam um nó de cluster a uma SAN, semelhante ao modo como um adaptador de rede conecta um servidor a uma rede Ethernet comum. Os HBAs, contudo, são mais difíceis de configurar que os adaptadores de rede (a não ser que os HBAs sejam pré-configurados pelo fornecedor de SAN). Todos os HBAs em todos os nós devem ser idênticos e estar no mesmo driver e firmware.

Zoneamento e máscara de LUN

O zoneamento e a máscara de LUN são fundamentais para as implantações de SAN, particularmente quando se referem à distribuição de cluster do Windows Server 2003.

Zoneamento

Muitos dispositivos e nós podem ser conectados a uma SAN. Com dados armazenados em um único local ou entidade de armazenamento, é importante controlar quais hosts têm acesso a dispositivos específicos. O zoneamento permite que os administradores compartilhem os dispositivos em volumes lógicos e depois reservem esses dispositivos no volume para um cluster de servidor. Isso significa que todas as interações entre os nós e os dispositivos de cluster, em volumes de armazenamento lógico, estão isoladas dentro dos limites da zona; outros membros diferentes de cluster da SAN não são afetados pela atividade do cluster.

A figura 30 é uma ilustração lógica de duas zonas SAN (Zona A e Zona B), cada uma contendo um controlador de armazenamento (S1 e S2, respectivamente).

Figura 30 Zoneamento

Nessa implementação, o Nó A e o Nó B podem acessar dados a partir do controlador de armazenamento S1, mas o Nó C não. O Nó C pode acessar dados a partir do controlador de armazenamento S2.

O zoneamento precisa ser implementado no nível do hardware (com o controlador ou o switch) e não por meio do software. A primeira razão é que o zoneamento também é um mecanismo de segurança para um cluster baseado em SAN, pois servidores não autorizados podem acessar os dispositivos dentro da zona (o controle de acesso é implementado pelos switches na estrutura, então um adaptador de host não pode obter acesso a um dispositivo para o qual não foi configurado). Com o zoneamento do software, o cluster não estará seguro se o componente de software falhar.

Além de fornecer segurança ao cluster, o zoneamento também limita o fluxo de tráfego dentro de um determinado ambiente SAN. O tráfego entre as portas é roteado somente para segmentos da estrutura que estão na mesma zona.

Máscara de LUN

Um LUN é um disco lógico definido dentro de uma SAN. Os clusters de servidor visualizam os LUNs e acreditam que eles são discos físicos. A máscara de LUN, executada no nível do controlador, permite definir relações entre LUNs e nós de cluster. Os controladores de armazenamento normalmente fornecem os meios para criar os controles de acesso de nível de LUN que permitem a um ou mais hosts o acesso a um determinado LUN. Fornecendo esse controle de acesso no controlador de armazenamento, o próprio controlador pode reforçar as diretivas de acesso aos dispositivos.

A máscara de LUN fornece mais segurança granular que o zoneamento, pois os LUNs fornecem meios para zoneamento no nível da porta. Por exemplo, muitos switches SAN permitem zonas de sobreposição, possibilitando que um controlador de armazenamento esteja localizado em várias zonas. Vários clusters em várias zonas podem compartilhar os dados nesses controladores. A figura 31 mostra esse cenário.

Figura 31 Controlador de armazenamento em várias zonas

Os LUNs usados pelo Cluster A podem ser mascarados, ou tornarem-se ocultos, a partir do Cluster B para que apenas os usuários autorizados possam acessar os dados em um controlador de armazenamento compartilhado.

Requisitos para implantação de SANS com clusters do Windows Server 2003

A lista a seguir destaca os requisitos de implantação que devem ser seguidos ao usar uma solução de armazenamento SAN com o cluster de servidor. Para obter um documento que fornece informações mais detalhadas sobre o uso de SANs com clusters de servidor, consulte o link Windows Clustering: Storage Area Networks na página Web Resources emhttp://www.microsoft.com/windows/reskits/webresources/ (sites em inglês).

Cada cluster em uma SAN deve ser implantado em suas próprias zonas. O mecanismo que o cluster usa para proteger o acesso aos discos pode ter um afeito adverso em outros clusters que estão na mesma zona. Usando o zoneamento para separar o tráfego de cluster de outro tráfego de cluster ou diferente de cluster, não há chances de interferência.

Todos os HBAs em um único cluster devem ser do mesmo tipo e ter a mesma versão de firmware. Muitos fornecedores de armazenamento e switch exigem que todos os HBAs na mesma zona – e, em alguns casos, na mesma estrutura – compartilhem esses recursos.

Todos os drivers de dispositivo de armazenamento e de HBA em um cluster devem ter a mesma versão de software.

Não permita que vários nós acessem os mesmos dispositivos de armazenamento a não ser que eles estejam no mesmo cluster.

Não coloque os dispositivos de fita na mesma zona que os dispositivos de armazenamento de disco do cluster. Um dispositivo de fita pode interpretar de forma incorreta um barramento em espera e retornar em momentos inapropriados, como durante um grande backup.

Diretrizes para implantação de SANS com clusters do Windows Server 2003

Além dos requisitos de SAN discutidos na seção anterior, as seguintes práticas são recomendadas para a implantação de cluster de servidor:

Em uma estrutura de armazenamento altamente disponível, você deve implantar os servidores de cluster com vários HBAs. Nesses casos, sempre carregue o software de driver de vários caminhos. Se o subsistema de E/S visualizar dois HBAs, ele assumirá que eles são barramentos diferentes e irá enumerar todos os dispositivos, embora sejam dispositivos diferentes em cada barramento. O host, enquanto isso, visualizará vários caminhos para os mesmos discos. Uma falha ao carregar o driver de vários caminhos desabilitará o segundo dispositivo, porque o sistema operacional visualiza o que acredita ser dois discos independentes com a mesma assinatura.

Não exponha um instantâneo de hardware de um disco de cluster de volta a um nó no mesmo cluster. Os instantâneos de hardware devem acessar um servidor fora do cluster de servidor. Muitos controladores fornecem instantâneos no nível do controlador que podem ser expostos ao cluster como um LUN totalmente separado. O desempenho do cluster é reduzido quando vários dispositivos têm a mesma assinatura. Se um instantâneo é exposto novamente ao nó com o disco original online, o subsistema de E/S tenta regravar a assinatura. Contudo, se o instantâneo for exposto a um outro nó no cluster, o Serviço de cluster não o reconhecerá como um disco diferente, o que pode danificar os dados. Embora isso não seja especificamente um problema de SAN, os controladores que fornecem essa funcionalidade são normalmente implantados em um ambiente SAN.

Para obter informações adicionais, consulte os seguintes artigos no Microsoft Knowledge Base:

301647(site em inglês) Cluster Service Improvements for Storage Area Networks

304415(site em inglês) Support for Multiple Clusters Attached to the Same SAN Device

280743(site em inglês) Windows Clustering and Geographically Separate Sites

Links relacionados (sites em inglês)

Consulte os seguintes recursos para obter mais informações:

Para obter as informações mais recentes sobre o Windows Server 2003, consulte o site do Windows 2003 Server em http://www.microsoft.com/windowsserver2003/default.mspx (em inglês).

 

Fonte: http://www.technetbrasil.com.br/Artigos/Windows2003/ConfClus/

  1. Geraldo
    20 de maio de 2011 às 10:47

    Caro Thiago,
    Gostei muito do seu guia, ainda não tinha encontrado nenhum com tantos detalhes. Ele será muito util para mim, pois estou começando a estudar esse assunto para montar um cluster no meu trabalho. Só não consegui visualizar as figuras que fazem parte do texto, tentei em outros navegadores e também não funcionou. Você poderia me enviar esse texto por e-mail juntamente com as figuras? Ficaria muito grato.

    Abraços,

    Geraldo.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: